O que é

Você sabia que existem dois tipos de fome? A primeira é a convencional que sentimos próximo aos horários das refeições diárias, até aí nada de novo. Já a segunda pode se tornar um problema, ela é conhecida como fome emocional, mas o que isso significa? É uma fome que funciona como válvula de escape, um conforto nos dias em que as emoções estão a mil (sendo boas ou ruins). Hoje, vou trazer um pouquinho das complicações que essa fome “não fisiológica” pode trazer para o corpo e quais são as maneiras de evitá-las.

Causas
Existem sim causas fisiológicas para explicar a fome emocional. Emoções negativas, por exemplo, aumentam os níveis de cortisol e insulina no sangue. Esses dois hormônios glicose exercem a função de “mensageiro” que falam para o seu cérebro que é hora de comer (ainda que você esteja saciado). Com isso, você sente uma vontade incontrolável de comer, ainda que esteja saciado fisiologicamente. Diferente da fome natural, o corpo gera urgência de alimentos, quase sempre açucarados, consumidos em quantidade maior do que deveria e, muitas vezes, fora de hora.

Além do descontrole hormonal, a carência de nutrientes também confunde o cérebro, despertando a fome que não é física. Falta de cromo e de triptofano, por exemplo, podem resultar em fome das emoções. Outra causa física para a fome emocional é a ausência de sono reparador, que resulta em desequilíbrio da sensação de saciedade, além do sedentarismo, que compromete o funcionamento do corpo.

Sintomas

URGÊNCIA DE COMIDA
Como já foi falado a fome é paciente, ela sabe que você demora algumas horas entre uma e outra refeição, não tem problema para o organismo, mesmo que atrase um pouco a hora do almoço não existe desespero por comida. Na fome emocional o corpo precisa ser “carregado” sem demora, como se fosse um carro sem combustível lutando para chegar ao posto. A sensação é que não se come há dias e a falta de alimento vai literalmente te matar. O teste mais prático para distinguir a fome física da fome emocional é a seletividade alimentar. Na física, qualquer alimento é bem-vindo. Na fome emocional, você só se satisfaz se for um tipo um classe alimentar específica.

CONFORTO NA COMIDA
Talvez esse seja o sintoma mais comum, a comida se torna um suporte para o emocional. Os alimentos figuram como refúgio, recompensa, prêmio ou para ocupar vazios de sentimentos ou insegurança. Fazer a conexão com o sentimento exato que te desperta o desejo de comer é uma das formas mais eficientes de combater a fome emocional. Pense: você comeria um ovo cozido gelado no momento da fome? Se a resposta for NÃO provavelmente não é fome física.

SENSAÇÃO DE VAZIO
Pouco tempo após se alimentar a sensação de vazio toma conta de você outra vez, trazendo a fome avassaladora e recomeçando todo o ciclo de consumo.

Tratamento natural

ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO
Por ser uma condição que afeta o emocional, o acompanhamento psicológico é muito recomendado. O profissional vai auxiliar na diminuição da compulsão, além de permitir que os sentimentos reprimidos sejam colocados para fora, reduzir a sensação de dependência e conforto dos alimentos.

REEDUCAÇÃO ALIMENTAR
É muito útil para ajudar o cérebro a processar os alimentos que realmente dão saciedade, que fazem bem e que podem ser consumidos sem peso na consciência. Trocar carboidratos por proteínas e gorduras boas é uma forma eficiente de combater a compulsão e o ciclo da fome emocional.

PRÁTICAS INTEGRATIVAS
Meditação, reiki, aromaterapia, musicoterapia, entre outras, são práticas naturais que visam o aumento de bem-estar e equilíbrio da saúde do corpo. Funcionam muito bem para quem busca um estado de espírito mais calmo e sereno. Elas entram como uma opção de calmante natural, reduzindo a ansiedade por comida e aumentando o autocontrole.

Perguntas frequentes

Os chás ajudam contra a fome emocional?
Sim, chás podem ser usados como uma estratégia para combater a fome emocional. Uma vez que trazem inúmeros benefícios para o corpo, alguns possuem ação diurética e outros aumentam a saciedade.

Conheça alguns que podem te ajudar:

Chá-verde

O chá-verde, queridinho de muita gente, além de ser livre de calorias, contém epigalocatequina galato. Esse nome feio e gigante é de um antioxidante natural que auxilia no aumento do gasto energético. Diminuindo peso e gordura corporal, além de ser um grande aliado na luta contra a obesidade.

Chá de hibisco

Além de ajudar a reduzir a retenção de água no corpo, o hibisco age como um termogênico natural, elevando a queima de gordura diária e auxiliando na perda de peso. Ele é rico em antocianinas, uma substância rica em antioxidantes que também atua no combate à doenças cardiovasculares, câncer e doenças neurodegenerativas

Chá de cavalinha

Mesmo que não esteja ligada à queima de gordura, por ser uma erva que atua no intestino ela pode (e deve) ser ligada ao emagrecimento. Uma vez que evita constipação e auxilia quem sofre com retenção de líquido também.

Grávidas têm fome emocional?
Sim, a gravidez por si só já mexe com o estado de espírito da mulher, afinal os hormônios não param. A fome pode ser desencadeada por situações de estresse do dia a dia ou ansiedade.

Qual o melhor remédio para a fome emocional?
O ideal é sempre buscar um tratamento natural, dessa forma o corpo não precisa passar pela descarga química do medicamento e nem correr o risco de mascarar os sintomas e o problema persistir após a finalização do remédio.

REFERÊNCIAS

https://bibliotecadigital.ipb.pt/handle/10198/12506
https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/cfc-331513
https://cdn.eurofarma.com.br//wp-content/uploads/2020/08/%C3%89SIO-Separata-Fome-Emocional.pdf
https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/204128

Participe da discussão

1 comentário

  1. Estou gostando de receber estas informações assim fico atualizada e posso ajudar as pessoas que precisam de ajuda.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.