Alimentação anticâncer

Quimioterapia, radioterapia, cirurgia, exame anual, tecnologia de ponta, tudo isso e mais um pouco. Eu sei e reconheço a importância de cada uma dessas armas da medicina. Mas existe uma ferramenta fundamental e que faz toda a diferença na hora de prevenir e tratar o câncer. Ela mesmo, a alimentação! 

 

Aquilo que você escolhe comer são determinantes para criar um ambiente propício para o desenvolvimento de um câncer, seja ele onde for. E não dá mais para ignorar os efeitos da alimentação nessa doença tão crescente. Digo isso porque enquanto eu estou aqui escrevendo, o Instituto Nacional do Câncer contabiliza. Em uma hora, devem ser registrados SETENTA E UM novos casos de câncer só no Brasil.

 

A média eu calculei conforme a projeção do instituto de que em um ano são registrados 625 mil registros de tumores malignos. Você pode até ter vivido uma experiência como essa ou, talvez, morre de medo de fazer parte dessa estatística. E, claro, que todo esse temor existente em torno da doença também é alimentado por uma constatação de que os tratamentos convencionais preconizados para lidar com o câncer projetam efeitos colaterais bem importantes.

 

Quero deixar bem claro que eu não sou contra, apoio e sou grato a tudo que os centros cirúrgicos e médicos convencionais fazem para ajudar as pessoas a vencerem um câncer. Se eu enfrentar essa doença, acredite, vou buscar todas as armas que a medicina oferece, todas mesmo, e recomendo que você faça o mesmo também.

 

Existe o tratamento convencional de extrema importância e que salva vidas, mas existem também outros quesitos que acabam desconsiderados. Por isso hoje eu decidi falar da importância de ter uma alimentação anticâncer, bem diferente da oferecida nos hospitais oncológicos. 

O organismo é uma “máquina” extremamente complexa e necessita de milhares de compostos químicos diferentes para funcionar com excelência. A matéria-prima destes compostos provém da alimentação, sem a quantidade necessária de proteínas, boas gorduras e principalmente vitaminas e minerais, as células não conseguem obter todos os elementos necessários para o funcionamento perfeito.

 

Só para citar um exemplo nocivo da carência nutricional, o sistema imune perde sua eficiência, fazendo com que  processos inflamatórios e degenerativos se multipliquem.  É essa deficiência nutricional que pode abrir espaço para o surgimento e a proliferação de células defeituosas e cancerígenas sem que nenhum glóbulo branco tome providência.

 

Em corpos bem nutridos, basta aparecer uma célula doente e pronto. Os seus soldados de defesa são acionados e dão conta de acabar com o problema rapidinho. Mas, sem os alimentos que fornecem essa inteligência para a sua espécie de polícia federal interna, as fronteiras ficam distraídas. Entram mais vírus, mais bactérias do que deveriam e as células mutantes crescem sem patrulha, podendo virar um câncer sem ter sido detidas pelo sistema imune.

 

Além da falta de nutrientes essenciais, há o excesso de “desnutrientes”. Sim, aqueles alimentos que servem para nada.  Por exemplo: se todo dia você escolhe comer alimentos industrializados, ricos em açúcar, recheados de carboidrato, você cria um terreno biológico interno mais favorável para a proliferação da doença. 

 

Tem uma frase que eu gosto muito que mostra bem como agem esses alimentos nocivos: as moscas não criam o pantano. Mas o pântano atrai as moscas. Nesse sentido, não há mais dúvida de que o açúcar, os carboidratos e a fermentação são considerados os alimentos combustíveis do câncer. 

 

O primeiro a descrever esse mecanismo foi o alemão Dr. Otto Heinrich Warburg, que ganhou o Prêmio Nobel em 1931. Em sua pesquisa  “A causa primária e a prevenção do câncer”, ele discorreu entre outras coisas, que a célula cancerosa tem a capacidade de sobreviver à falta de oxigênio porque consegue usar o carboidrato e a glicose para se multiplicar.

 

É por isso que os três gráficos crescem simultaneamente: aumento do consumo de glicose e carboidrato, aumento da obesidade e crescimento do câncer. Hoje, segundo o The Lancet, a alimentação errada tem mais peso no câncer do que o próprio cigarro. 

 

Se por um lado a ciência já sabe encontrar os vilões alimentares, ela também mostra quem são os mocinhos.  Vamos aos exemplos?

Indol 3-Carbinol

 

Por exemplo, os alimentos ricos em uma substância chamada indol3-carbinol, o I3C.

 

Indol-3-carbinol é o modulador natural de estrogênio mais bem estudado e tem efeitos comprovados contra cânceres relacionados a hormônios como, por exemplo, o câncer de mama. Presente no brócolis, no couve-flor e na couve de bruxelas, o indol3-Carbinol já foi classificado como um dos anticâncer mais eficientes que existe. Não há razão para ele não fazer parte da alimentação diária, ao menos 3 vezes por semana de qualquer pessoa, concorda?

 

E aí vai uma dica. Não adianta cozinhar o brócolis, deixar ele todo molenga. As substâncias terapêuticas ficam mais disponíveis quando você consome al dente, quase que dando o sustinho na hora de refogar, sabe? 

 

CHÁ VERDE e catequinas

 

Quer um outro exemplo de aliado contra o câncer é o chá verde e as catequinas.

 

O chá tem sido usado como remédio pelo menos desde a dinastia Shang (1766-1122 a.C.), imperador considerado pai da medicina chinesa. De lá para cá, as pesquisas sobre os efeitos terapêuticos não pararam. Dentre os vários fitoquímicos diferentes, o que mais se destaca na bebida é a epigalocatequina-3-galato (EGCG), um polifenol com comprovada ação bioquímica contra o câncer, associado a menor risco de câncer de mama, ovário, leucemia entre outros.

 

Quantas xícaras por dia?

 

Uma pesquisa com japonesas com tumor nas mamas, que ainda não tinham metástases, mostrou que o consumo de 3 xícaras por dia reduziu em 57% o risco de recaídas, conforme publicado no livro Anticâncer.

[INSERIR IMAGEM DO AZEITE]

CAROTENÓIDES E LICOPENO

 

Estudos mostram que pessoas que comem muitos vegetais vermelhos, laranja, verdes e amarelos têm um risco significativamente reduzido de vários tipos de câncer. Parte desse efeito protetor é devido aos carotenóides. 

 

A maioria das pessoas conhece o carotenóide beta-caroteno, encontrado nas cenouras. Existem, no entanto, centenas de outros carotenóides, a luteína no espinafre, o licopeno no tomate, esse último bastante estudado por reduzir em até 18% o risco de câncer de próstata.

 

AZEITE DE OLIVA

 

Azeite de oliva extravirgem tem na composição secoiridoides e lignanas, ambos antioxidantes conhecidos por diminuir a velocidade de progressão do câncer, conforme atestou o Instituto de Oncologia do Catalão.  Cogumelos, tipo o shitake, são amplamente estudados por suas propriedades anticancerígena na prevenção e na contenção da doença.

 

JABOTICABA E AÇAÍ

 

Frutas vermelhas como amora, miritilo, jaboticaba e o nosso açaí possuem uma substância chamada de antociandinas que induzem a célula doente a cancerígena a cometer suicídio, em um processo chamado de apoptose. 

 

Eu sei que parece simples demais, alimentos conseguidos na feira com esse efeito anticâncer, alguns até com efeito quimioterápico catalogado, mas toda vez que você estuda dados epidemiológicos, está lá confirmado: a principal diferença entre as populações com mais alta taxa de câncer e as que têm as mais baixas é a alimentação.

 

É obvio que um câncer é construído e despertado por outros fatores tão complexos como possíveis de gerenciar. Estresse, traumas, falta de assistência médica e por aí vai. Mas você não acha estranho a gente escutar falar muito de novos medicamentos contra o câncer e quase nada sobre brócolis?

 

Te municiar dessas informações e te guiar pela trilha do conhecimento é o que considero a minha missão, aquilo que escolhi fazer quando há 23 anos entrei em medicina.

 

Porque eu sei que existem bem mais possibilidades e caminhos do que simplesmente sorte ou azar, genes e destino quando falamos em câncer e adoecimento. 

 

A boa notícia é que a alimentação anticâncer é boa para isso também, para todos esses objetivos. Por isso, continue me acompanhando, eu não vou parar e tenho muito mais para partilhar com você.

 

Dentre as tantas revoluções que o garfo promove, o talher também pode te ajudar a ficar mais jovem não importa quantos anos você tenha e nem como chegou até aqui.

 

Não perca a maratona VOCÊ + JOVEM!

[INSERIR IMAGEM DO EVENTO DO DIA 06/12]

Escrito por:

Dayan Siebra

Dayan Siebra